quarta-feira, 20 de junho de 2018

DEIXEM-SE DE GRAXA!

Primeira nota: Esta semana pensei em falar de um assunto verdadeiramente importante, penso que mais importante que o desemprego, mais importante que a corrupção, que os altos impostos que somos obrigados a pagar, que a pouca vergonha que se passa no desporto nacional, mais importante que a crise de refugiados, mais importante que a guerra na Síria, mais importante que o encontro entre o Trump e o Kim. Logo, acima disto tudo, só podia ser o busto do Cristiano Ronaldo no aeroporto.

Por entre um titubear momentâneo, lá consegui equilibrar-me e magnanimamente pensar: só podem estar a gozar comigo!

É claro que não há publicidade boa ou publicidade má, a verdade é que com o antigo busto, toda a imprensa mundial brincou e isso fez com que o nome da Madeira fosse falado. Mas, sejamos honestos, o busto poderia ser um pouco melhor. Tal como a estátua à beira do museu, que deveria ser à dimensão dele, devia ser proporcional e etc… Tirando os meus artigos, que, muitas vezes, são inócuos para os que não se interessam pelos assuntos que abordo. Penso que o debate não vale. É uma opção, neste caso do próprio, e é a imagem dele que está em causa, e não a minha ou a de todos os que preferem A ou B. Na minha humilde opinião, preferia o primeiro, mas sinceramente tanto faz. É o melhor do Mundo, e o que interessa é que Portugal ganhe hoje, desta vez com uma boa exibição e com o nosso Cristiano, novamente com uma bela prestação para chegarmos à final, e claro, porque nos é permitido sonhar, ganharmos o Mundial.

Segunda nota: A semana passada, estava a chegar ao meu local de trabalho e fui abordado por um senhor que não conheço. E disse-me: “você é o jornalista?” e eu simpaticamente respondi: “não.” Confesso que não entendi onde o senhor queria chegar, mas ele lá continuou.

Antes todos “lambiam os sapatos ao anterior governo, agora é a estes, mas vão ver…” (não me recordo se foram bem estas as palavras, mas a ideia era esta). Como só mais tarde apercebi-me de que ele achava que por eu escrever estas palavras era jornalista, atenção, não sou, nem tenciono ser. Ele, entretanto, seguiu o seu trajeto e eu fiquei a pensar. Como é óbvio as palavras não foram dirigidas para mim, todavia, numa e muito remota hipótese, caso fossem, eu acho que ninguém precisa lamber os sapatos ao anterior governo, muito menos eu, eu reconheço e agradeço tudo o que fez pela Região Autónoma da Madeira. Quanto à ameaça velada, pensei: será que aqueles que vêm aí a mando do continente são aqueles que expulsaram não sei quantos para manterem-se no poder na Câmara e tiveram guerras e mais guerras? Esses que precisam de palcos para brilhar e que outros os vão lá lamber para serem alguém? Mas já agora, por falar em lamber, não há nada como recordar na RTP-Madeira as palavras de certo presidente: “enquanto presidente de Câmara nunca teria aprovado”. Para minutos depois dizer: “Ainda bem que deixou a Calheta e veio para a cidade, porque aquilo que nós precisamos é de investimento.” Cá está uma grande lambidela ao sabor do vento. Com tanta lambidela, ainda acaba lambuzado!! Em bom madeirense, deixem-se de graxa!

sexta-feira, 8 de junho de 2018

AI SE PODEMOS!


Pablo Iglesias, líder do partido da esquerda radical espanhola, uma espécie de Bloco de Esquerda espanhol, e sua esposa, que, por acaso, é uma espécie de líder parlamentar lá do partido comparam uma vivenda no valor superior aos 600 mil euros.

Mas o que teria isso de especial? Nada… Se em 2012 Pablito não tivesse exigido a demissão do ministro da Economia da altura com a seguinte publicação: “Entregarias a política económica do país a quem gasta 600 mil euros num apartamento de luxo?” Eis que em 2018, Pablo Iglesias responde ele próprio à questão: “depende de quem vai viver lá em casa.”

A verdade é que o Pablo e a Irene fizeram uma chantagem aos militantes ou apoiantes do Podemos, submeteram-se a uma votação para ver se deviam ou não se demitir. A ética? O código de ética? José María González, presidente da Câmara de Cádiz e militante do Podemos disse: “O código de ética do Podemos não é uma formalidade. É um compromisso em viver como as pessoas de trabalho para que as possamos representar.” E ele tem toda a razão. Eu, neste momento, tenho um forte desejo de ser militante do Podemos, pois acredito que o Podemos poderá realizar um dos meus sonhos e facilitar-me no acesso a uma humilde mansão de 600 mil euros.

Cá em Portugal, a Mariana, a criadora dos impostos para ricos ou pseudo-ricos, nada comenta, mas se o Pablo tivesse uma casita tipo Podemos cá em Portugal, coisa que ele não arrisca, abalançava-se a ter de pagar mais uns euritos, ou será que teria alguma isenção por ser da mesma família política? Claro que não, em nome da transparência que o Podemos pratica, não sei é se divulgou no seu site a mansão com fotos e tudo, a tomarem banhos languidamente, ele e “su mujer”!. Agora dir-me-á o leitor: mas a extrema-esquerda cria exceções para eles e depois ainda se finge de apoiante dos bons costumes da Esquerda?

Esta esquerda caviar tanto em Portugal como em Espanha quer cobrar aos outros, mas não querem pagar nada. Veja-se a lei do financiamento partidário que eles faziam à socapa. Mas tudo de forma legal. Tudo de forma ética. Tudo de forma 100% correta e até gamar aos pobres ou àqueles que por mérito e esforço do trabalho conquistaram uma vida condigna.

Estes partidos que tanto apregoam uma pureza ética, na verdade não passam de meros hipócritas que fazem-se passar pelo povo e são aqueles que mais prejudicam o mesmo povo em seu próprio benefício. “Si, se puede”, oh se pode!

Post Scriptum: Gostei de ver os anti-autonomistas na passada segunda-feira a espumarem-se pela boca de raiva por verem o Homem que mais lutou pela Autonomia a receber a mais alta condecoração da Região Autónoma da Madeira. Mas esta condecoração não é suficiente, é preciso mais! Quanto aos anti-autonomistas que andam com azia, penso que Kompensan ou outra pastilhinha para azia resolve-lhes o problema.

Publicado no JM-Madeira - Siga Freitas

quinta-feira, 7 de junho de 2018

O que significa ser humano?


Este foi o título da TEDxPorto do médico Gustavo Carona. Quem é este médico? É só, como quem diz, um dos médicos que se voluntariou por países em guerra, para salvar vidas!

Ele tem como objetivo de vida: “Trazer os Médicos Sem Fronteiras para Portugal e pôr os Portugueses a pensar no Mundo.” Esta segunda parte do seu desejo, considero fundamental, mas reconheço a proximidade das histórias dele.

Há várias palavras importantes do Gustavo nesta TEDxPorto e que transmitiu, por palavras, aquilo que várias vezes penso.

Morreram 6 milhões de pessoas nos últimos anos em guerras, este não é dado real, é possível que sejam mais pessoas.

Já se lermos uma história de uma criança que se chame João e levou um tiro que ficou alojado num pulmão e numa cirurgia, num local sem quaisquer condições, o Dr. Gustavo consegue-o salvar. E no meio da alegria, a mãe abraça-o, apesar das diferenças culturais, e agradece-lhe tudo e a Deus t o que o Gustavo fez pela sua criança. Este João sobrevive e viverá o resto de uma vida numa zona de conflito, até haver mais uma bala perdida e nunca viverá até ser velhinho e morrer no leito da sua cama.

Nestas duas histórias foi mais relevante a vida do João e passaram pelos 6 milhões como um número meramente estatístico.

Mas nestes 6 milhões estavam 2 milhões de crianças, com histórias semelhantes, mas com finais diferentes.
Felizmente, o Gustavo não é único, mas é raro. Há outro homem que faz algo incrível, é o Sam Childers. Sam Childers mudou a sua vida e reabilitou-se, em todos os aspetos, e foi para África Central salvar crianças da guerra.

Todas as crianças que o Sam Childers consegue evitar que cheguem a uma guerra, é o futuro do país que ele salva. Esperemos que seja o futuro destas crianças que seja garantido. Mas este não é o único, existe também o Jason Russel um ativista que criou Invisible Children Inc, para proteger e apanhar um dos maiores criminosos do Mundo inteiro – Kony.

Todos devíamos conhecer estes inimigos da humanidade Estes Homens, como outros que existem pelo Mundo inteiro, que salvam uma vida aqui e ali, mas que nunca serão os suficientes, nunca o serão para garantirmos um Mundo melhor, pois ainda existem milhões de pessoas que morrem anualmente, por responsabilidade de criminosos como o Kony.

E como acaba o documentário Kony 2012: “Nada é mais poderoso do que uma ideia cujo tempo é agora!”

A resposta ao título deste artigo e da conferência do Gustavo, não a sei dar. Mas sei que o desígnio do ser humano é ajudar e salvar o próximo! E assim se salva a ele também e se torna mais humano.

sábado, 26 de maio de 2018

PATRIA - Salon Erótico de Barcelona - Aplica-se a Portugal?





 Eis o vídeo de promoção do Salão Erótico de Barcelona, que é uma crítica social, que também se aplica a Portugal! Vejam e oiçam!!

quarta-feira, 23 de maio de 2018

NA MADEIRA, SÊ MADEIRENSE


Com este título pode escrever-se que o Primeiro-ministro chegou à Madeira com a lição estudada e desde o aperto de mão ao Miguel ao “como estás, Miguel?”. O António quis demonstrar a sua proximidade com os madeirenses.

Após as declarações duras sobre a Madeira no Parlamento, em relação à dívida, veio cá corrigir. Disse maravilhas. Mas melhor que isso, aceitou tudo ou quase tudo o que era reivindicado:

Primeiro: Vai corrigir taxas de juros da Madeira em relação à República, igualando a taxa de juro que Portugal paga aos seus credores estrangeiros;

Segundo: A República assume a sua responsabilidade nos subsistemas de saúde;

Terceiro: Volta a afirmar que irá financiar 50% do Novo Hospital;

Quarto: Vai rever subsídio de mobilidade;

Quinto: Revisão/estudo dos limites de operacionalidade do nosso aeroporto e espera que a ANAC tome decisões rápidas para melhorar a operacionalidade.

Isto foi o que prometeu, mas ainda teve tempo para elogiar o crescimento da economia e o superavit que se conseguiu no ano passado.

Há um provérbio que se diz nestes casos: “quando a esmola é muita, o pobre desconfia…”

A verdade é que o António quis ser madeirense, tal como em Roma, sê romano, basicamente o Costa disse tudo o que queríamos ouvir. Mas será que é isto mesmo que vai acontecer?

Claro que não! Não estejamos iludidos. Este senhor que, de acordo com as notícias recentes, alegadamente ludibriou uma velhota na compra de um apartamento (apesar de ter pago o que ela pediu monetariamente pelo apartamento, apesar dela ter outras propostas mais vantajosas). Após 6 meses vendeu pelo dobro o valor, isto chama-se valorização.. Lá por se ter esquecido ou melhor atrasado de declarar as mais-valias e todas essas formalidades, nada disto parece mal a alguém que nos prometeu tudo.

Aqui na Madeira já tudo foi prometido, agora eu gostava que ele garantisse tudo isto no Parlamento Nacional e quiçá com um orçamento retificativo (para garantir algumas destas promessas). Mas não acredito, mas claro que é tudo uma questão de fé.

Como hoje estou numa de provérbio só posso concluir que a vinda do Primeiro-Ministro deixa-nos a todos contentes: “Os visitantes dão sempre prazer, se não quando chegam, pelo menos quando partem.”

​ ​Post Scriptum: Alguém sabe se na reunião houve algum murro? É que houve quem fosse a Lisboa para garantir tudo e mais alguma coisa, mas precisou de pugilato.

sábado, 12 de maio de 2018

Trabalhador, empreendedor


Este mês de Maio inicia-se com o Dia de Trabalhador ou dia de São José Operário por decisão do Papa Pio XII, anunciada justamente a 1 de Maio de 1955, para evocar “o humilde artesão de Nazaré” que personifica a “dignidade do trabalhador manual”. Ora o que é um trabalhador senão um grande empreendedor, só que é um trabalhador sem horário, melhor, com horário livre, um trabalhador sem patrão em termos hierárquicos, mas que, ao mesmo tempo, possui um patrão mais exigente que qualquer outro e mais explorador que qualquer outro, pois é ele próprio.

Esta introdução é só para dizer que um empreendedor é um sofredor e um explorado, pior ainda, não possui qualquer sindicato para o defender. O que pode ser um problema ou uma solução. O problema porque vive unicamente para o trabalho, mas, ao mesmo tempo, para a solução e o sucesso financeiro e pessoal. Aqui isto parece uma comunicação da “Reino Universal do Empreendedorismo” ou das empresas multiníveis.

Trabalhar e trabalhar é só essa a palavra que um empreendedor conhece. Mas será só esse o sinónimo do sucesso? Eu acho que não, apesar de ser a grande base. É preciso viver globalmente, e isto quer dizer o quê? Exportar. Mas é assim desde os tempos antigos. O comércio internacional, as trocas comerciais com o exterior, só isso fará com que qualquer empreendedor tenha sucesso. Inicialmente, no mundo ocidental, eram o domínio da rota do Mediterrâneo. Posteriormente, quando os portugueses descobriram o caminho marítimo para a Índia, isso foi, sem dúvida, o sucesso para Portugal. Não é sempre aquele que consegue chegar mais longe ou primeiro, mas aquele que consegue chegar com maior eficiência, isso, sim, será sucesso.

Neste momento, vivemos uma era digital, uma era da internet das coisas e esse domínio, bem como o domínio de descobrir/explorar o sistema solar, posteriormente a Via Láctea e etc… Pode parecer uma utopia, mas é o caminho para o sucesso. Por exemplo, por acaso sabiam que além das entidades governamentais, como a NASA e a Agência Europeia, Chinesa ou Russa, existem já empresas privadas a inovar nesta área da exploração espacial, tais como SpaceX, Blue Origin e a Virgin Galactic? Por exemplo, estas empresas, além de quererem explorar as viagns no espaço, querem fazer as viagens intercontinentais mais rápidas, em que alguém que viva em Nova Iorque consiga vir à Europa ou outro sítio e ainda voltar a Nova Iorque a tempo de fazer o jantar e cear com a família. É algo ambicioso, mas não será este o futuro? Reduzir o tempo das viagens?

Trabalhar, exportar e explorar podem e deve ser o segredo de qualquer sucesso. Ah… esqueci-me de um aspeto muito importante: muita saúde! E outro ponto que se deve ter, mas não é preciso muito, é um bocadinho de sorte!!!

Publicado na Revista Madeira Digital - Maio

quarta-feira, 9 de maio de 2018

O SILÊNCIO DOS INOCENTES

Este não é o título da série de filmes Hannibal Lecter, mas sim o que se passou nestas semanas, pelo silêncio de inocentes ou falta deles.

Primeiro ponto: O PS abandonou Sócrates, uma atitude completamente cobarde, pelo menos nesta fase, porque, se tivesse sido logo de início, compreendíamos, mas só agora. Apesar de há muito achar que há vários indícios de alegada corrupção, pois como diria o Tribunal da Relação: “Quem cabritos vende e cabras não tem, de algum lado lhe vêm.”

A ex-namorada de José Sócrates, também agora vem dizer: “ele mentiu… ultrapassou mesmo todos os limites.” Está a gozar connosco? Será que ninguém ouviu as escutas que estão no Youtube em que ela pede uma casa de não sei quantos milhões no Chiado? Ela não conhecia a família de Sócrates ou achava que eram ricos? Ela, como jornalista, sabia claramente o ordenado de um primeiro-ministro, após ser primeiro-ministro vivia da “fortuna de família”. Neste momento, é feio o que ela fez. Ela devia abster de dizer o quer que seja.

Sócrates não é santo, não sei se o Ministério Público vai encontrar a proveniência do dinheiro que Sócrates recebia e se houve ou não algum tipo de favorecimento. Sócrates mentiu, mas só mentiu a quem nele acreditava, eu não acreditava. Quem é que acreditou nele? A verdade é que ele tirou muitos da cepa torta.

Segundo ponto: Condecoração ao Dr. Alberto João Jardim: esta condecoração independentemente do partido, do grupo ou o quer que seja devia ser unânime ou, pelo menos, não existir qualquer tipo de voto contra. Alguém defendeu mais a Madeira que o Antigo Presidente do Governo Regional? É claro que travou combates contra os restantes partidos, pois ele pertencia a um partido. Mas estes últimos quase 40 anos, são obra dele. Os bor(r)ucratas e tecnocratas dizem que fez. É verdade… Fez dívida, mas, se não fizesse a dívida, hoje não tínhamos aeroporto, não possuíamos vias de comunicação, não possuíamos escolas, não existiriam condições e infraestruturas necessárias para toda e de toda a população madeirense. E só fustigou, merecidamente, a alguns com as palavras que classificava as atitudes desses idiotas (in)úteis que preferiam andar agachados a Lisboa do que a defender a Madeira.

Muitos não querem, mas o Dr. Alberto João Jardim já está e ficará na história da Madeira, mas, acima de tudo, de Portugal como o maior autonomista e aquele que mais defendeu o Povo Madeirense em todas as situações e abdicou de uma carreira política nacional e/ou até internacional (sem contarmos o cargo de Presidente das Regiões Ultraperiféricas da União Europeia) em prol dos seus e não do seu umbigo.

Aqueles que acham que ganham votos em ser contra o Dr. Alberto João Jardim a fazer páginas de jornais ou de Facebook, para agradar internamente, é preciso lembrar de onde vieram alguns - vieram da JSD, outros andaram perdidos por aí, mas aqueles que passaram pelo PPD/PSD nota-se que não passam de espíritos mesquinhos, vingativos e tristes por o Dr. Alberto João Jardim não ter visto neles aquilo que eles achavam que eram: uns gatinhos com manias de tigres!

Congratulo o PS/Madeira pela coragem em votar a favor da condecoração.

A condecoração não basta, penso que é preciso mais, o Dr. Alberto João Jardim merece mais, além do reconhecimento eterno que o Povo Madeirense tem e terá nas gerações vindouras pela obra feita!